Como a alimentação pode ajudar a manter a sua imunidade

Com a pandemia do novo coronavírus, manter a alimentação saudável pode ajudar a fortalecer a imunidade. Isso significa fazer melhores escolhas melhores, ingerindo mais nutrientes que podem auxiliar a manutenção do sistema imunológico a enfrentar vírus e bactérias que invadem o organismo.

“A nutrição pode modular a resposta imune. Quando o indivíduo tem hábitos alimentares saudáveis, ingerindo os nutrientes de que necessita de acordo com sua fase de vida, principalmente os micronutrientes (minerais e vitaminas) e compostos bioativos encontrados em alguns alimentos, seu sistema imune estará mais preparado para vencer essa pandemia”, afirma a professora da USP (Universidade de São Paulo) Silvia Maria Franciscato Cozzolino, da área de Nutrição da Faculdade de Ciências Farmacêuticas.

Veja também:

Mas o impacto da alimentação saudável na imunidade não acontece de um dia para o outro, e sim a médio prazo. Além disso, não basta somente comer bem: é preciso dormir bem e praticar atividade física. A união dos três fatores é responsável por fortalecer a atuação do sistema imune.

Veja alguns micronutrientes que têm papel relevante na relação da alimentação com a imunidade:

Zinco: nutriente mineral essencial para o sistema imune. Como não é armazenado pelo organismo, é preciso seguir a recomendáção diária de ingestão. Ele é encontrado em mariscos (como a ostra), carnes vermelhas, fígado, peixes, ovos e cereais integrais.

Vitamina A: tem importante função imunomoduladora, já que modula a resposta das células que combatem o vírus e as bactérias por meio da fagocitose. Está presente em alimentos como fígado, óleos de fígado de peixe (como bacalhau), e nos vegetais verdes escuros e alaranjados, como a cenoura, a couve, a manga, o brócolis e a abóbora.

Vitamina D: a principal fonte é a exposição aos raios solares UV-B, que tornam possível a síntese pela pele humana. Mas pode ser encontrado também, em menor quantidade, em alimentos fortificados.

Selênio: o antioxidante também fortalece o sistema imunológico e é encontrado na castanha do pará. Entretanto, para evitar a intoxicação, a recomendação é para a ingestão diária de duas castanhas.

Vitamina C: antioxidante, representa um fator auxiliar para diminuição do tempo de duração das infecções. Deve ser ingerida pela alimentação. É encontrada em frutas em geral, especialmente na laranja, no limão, na mexerica, na goiaba, na manga e no mamão. Entretanto, se for consumida em quantidade muito acima da recomendada, pode causar desconforto intestinal e alterar o resultado de exames.

Vitaminas do Complexo B: A deficiência da vitamina B6 pode comprometer a produção de anticorpos e a atividade das células de defesa do organismo. Ela é encontrada em cereais como aveia, arroz integral e quinoa. Já a vitamina B12, encontrada em ovos, carnes, leite e derivados, apoia as células vermelhas do sangue.

Ferro: a deficiência interfere na imunidade e reduz a capacidade de atuação das celular exterminadoras naturais. É encontrado em vegetais verdes escuros, leguminosas como feijão e nas carnes em geral, principalmente vermelha.

Probióticos e a saúde intestinal

O bom funcionamento do intestino é importante para o sistema imunológico, já que favorece a absorção dos nutrientes. Para isso, é necessário consumir probióticos, que estão presentes em iogurtes, kefir e bebidas lácteas fermentadas.

Para a manutenção da flora intestinal, é preciso consumir também os prebióticos, ou seja, o alimento dos micro-organismos probióticos. Eles são encontrados em alimentos com fibras.

Veja também: