Como driblar a insônia durante a quarentena do coronavírus

Conteúdo em parceria com:

Conteúdo em parceria com:

Não são apenas os relatos sobre sonhos estranhos que se tornaram comuns durante a pandemia do novo coronavírus: as pessoas também têm enfrentado problemas para dormir, como a insônia.

De acordo com a plataforma de saúde mental Vittude, quem tem insônia tem dificuldades para relaxar, sentindo uma inquietude maior horas antes de conseguir pegar no sono. As pessoas também despertam frequentemente durante a noite ou, mesmo dormindo muitas horas, não sentem que o sono foi reparador. Se você tem alguns destes sinais –além da dificuldade para adormecer, selecionamos algumas dicas quem podem ajudar.

A dificuldade de pegar no sono ou para dormir uma noite inteira pode afetar a saúde mental, causando irritabilidade, ansiedade e depressão, além do cansaço e de problemas de memória. Além disso, a privação de sono pode prejudicar o organismo, prejudicando o sistema imunológico, além de causar doenças cardiovasculares.

“O cenário de incertezas, associado à mudança radical de rotinas diárias, pode trazer preocupações e desorganizações da vida prática e psicológica, podendo desregular o humor e o padrão de sono”, diz a Associação Brasileira do Sono em suas orientações sobre qualidade de vida durante a quarentena.

Veja também: 

A Associação Brasileira do Sono sugere algumas mudanças para tentar driblar a insônia durante a quarentena do coronavírus. Desta forma, você não precisará recorrer aos medicamentos para insônia.

Estabeleça uma rotina diurna: tente organizar as suas tarefas domésticas, profissionais e acadêmicas sem que nenhuma delas seja realizada em excesso, em detrimento de outras. O equilíbrio é a formula para a saúde física e mental. Uma rotina organizada cria a sensação de segurança e tranquilidade. Não se esqueça das atividades para relaxamento, descanso e bem-estar.

Estabeleça uma rotina noturna: Mantenha um horário regular de sono, dormindo e acordando sempre no mesmo horário. Isso ajuda a manter o ritmo biológico do organismo. Respeite suas necessidades de sono, assim como suas preferências de horário para dormir. Há pessoas que são matutinas; outras, mais noturnas. Alguns precisam dormir 9 horas por noite; para outras, sete horas de sono são suficientes.

Deixe a luz entrar: Abra as janelas quando acordar, permitindo a entrada da luz natural e a circulação do ar. Aproveite para tentar tomar um pouco de sol no horário em que a luz bate em sua casa.

Evite cochilos em horários incomuns: Sonecas durante o dia podem afetar o seu sono regular.

Evite eletroeletrônicos 1 hora antes do horário de dormir: Vale para celular, televisão, computador e tablet. Além da emissão da luz dos equipamentos, eles sinalizam para o seu cérebro informação e conteúdo que podem atrasar o início natural do seu sono. Prefira a leitura de um livro ou uma conversa com um familiar, por exemplo.

Dedique um tempo do dia ao que você sente: Você pode escrever, meditar ou somente relaxar com exercícios de alongamento e respiração. O importante é ter contato consigo mesmo e com o que você sente. Se tiver uma religião, pode aprofundar a sua fé.

Um diário em que você anota o que está sentindo ou até mesmo algumas ideias que têm também pode ser interessante. O acompanhamento terapêutico, um bate-papo com um psicólogo, também pode ajudar — terapia online é uma opção em tempos de quarentena.

Invista seu tempo na sua rede de apoio: Mantenha contato virtual com a família e os amigos, seja por chamada de vídeo ou telefonema. Divida as suas preocupações e ofereça apoio ao outro.

Evite ansiedade desnecessária: Escolha um momento do dia para se informar sobre as notícias do coronavírus, e opte por uma fonte confiável de informação, evitando notícias falsas e boatos, que podem causar ansiedade e preocupação sem necessidade, provocando a insônia.

Veja também: