Como saber se você sofre com a ansiedade durante a quarentena?

Conteúdo em parceria com:

Conteúdo em parceria com:

Apesar da ansiedade ser uma resposta natural do corpo, em alguns momentos ela pode se tornar nociva. No caso da pandemia do novo coronavírus, aprender como lidar com a ansiedade é importante para evitar um impacto maior na saúde mental das pessoas.

Tatiana Pimenta, da plataforma de saúde mental Vittude, conta que existem alguns sinais que o corpo dá quando a pessoa está sofrendo com a ansiedade. Ela sugere fazer a si mesmo algumas perguntas:

  • Você vê perigo em tudo?
  • Sente que seu sono sofreu alterações?
  • Sofre com tensões musculares?
  • Tem preocupações excessivas com o futuro?
  • Sente dificuldade para se concentrar?
  • Tem sofrido com problemas gastrointestinais?
  • Sente falta de ar, coração acelerado, suor excessivo, boca seca ou náuseas quando está ansioso?
  • Você sente que a ansiedade tem te paralisado e te impedido de viver bem e de forma saudável?

Se você identificou-se com algumas destas questões, é o momento de desacelerar. Exercícios de respiração podem ajudar. É importante criar uma rotina, com horários de trabalho, intervalos, refeições, momentos de lazer e descanso. Exercícios físicos são fundamentais para ajudar no controle da ansiedade.

Veja também:

Se sentir a necessidade de conversar com alguém sobre o que está sentindo, o atendimento psicológico online é uma opção em tempos de quarentena. Permitido pelo Conselho Federal de Psicologia, pode ser uma boa alternativa para aliviar as suas preocupações – uma espécie de escuta ou aconselhamento psicológico ajuda a alivar a tensão e o medo nos momentos de incerteza.

Um dos principais fatores de ansiedade é o excesso de informação que recebemos em tempo real. O ideal é evitar manter os noticiários da televisão ligados o dia todo. Caso contrário, isso pode gerar muita angústia e pânico – é importante manter-se informado sobre a Covid-19. Mas escolha em quais momentos você buscará fontes de informação confiáveis.

Aproveite para tentar um detox digital: evite abrir as redes sociais o tempo todo. A dica é separar um momento do dia para abrir Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn.

Ao se sentir muito estressado, com medo excessivo e ansioso, procure se desconectar um pouco da crise. Que tal  mergulhar em novas histórias, capazes de acalmar a sua mente por alguns instantes? Se você não sabe como lidar com a ansiedade, ler um livro, assistir a um filme ou até fazer uma atividade que você goste pode ajudar.

Como cuidar da saúde mental?

Durante o isolamento social, aproveite para manter laços com as pessoas (ainda que de forma virtual). Que tal ligar para os seus avós que estão sozinhos em casa? Vale também fazer uma videoconferência com amigos que você não vê há muito tempo e também estão isolados.

Use este período para fazer coisas que sempre quis, como investir naquele hobby de pintar, desenhar, escrever, ler ou aprender a cozinhar. Com a internet, é possível fazer cursos online e aprender algo novo ou descobrir uma nova atividade favorita.

Meditação também ajuda a diminuir os níveis de ansiedade e estresse, além de ser benéfica para o fortalecimento do seu sistema imunológico. Você precisa apenas se sentar em uma posição confortável, fechar os olhos e não se prender a nenhum dos pensamentos que lhe ocorrem. Caso você nunca tenha praticado, a recomendação é utilizar aplicativos com meditações guiadas.

Como manter a religiosidade se não é aconselhável frequentar templos?

Cultos, missas e celebrações de diferentes crenças e religiões foram suspensas por tempo indeterminado para evitar aglomerações, que podem amplificar o contágio da doença. Mas não é por isso que você deixará a sua fé de lado: busque transmissões ao vivo em redes sociais, grupos em aplicativos e até mesmo o rádio e a TV para manter o seu contato com a sua religião. Você também pode praticar a sua religiosidade na sua intimidade. Fique atento também para evitar notícias falsas e procure se informar sobre a Covid-19 somente em meios que usem como base orientações técnicas e científicas sobre a doença.

Veja também: