Coronavírus: As recomendações para quem tem asma

Os estudos sobre o impacto do novo coronavírus no corpo humano mostram que portadores de doenças crônicas e respiratórias são mais vulneráveis ao vírus, como a asma e a DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica).

Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia recomenda que o tratamento para a asma (uma doença inflamatória crônica que atinge os pulmões) seja mantido com os medicamentos preventivos de crises respiratórias, como corticoides inalatórios (as bombinhas), isolados ou associados a broncodilatadores, já que o coronavírus pode desencadear as crises de asma.

Veja também:

“O tratamento da asma deve ser mantido na vigência de infecções virais, considerando que essas infecções são causas frequentes de crise de asma”, diz a SBPT. A entidade ressalta a importância de que os pacientes com asma tomem a vacina contra a gripe, e afirma que o uso dos nebulizadores convencionais deve ser evitado, “já que gera micropartículas que podem espalhar o vírus para o ambiente”.

As consultas médicas à distância também são recomendadas, evitando a busca por ajuda presencial, exceto em casos mais graves de falta de ar e febre alta.

Por isso, mantenha o uso regular da sua medicação. Se tiver dúvidas, entre em contato com o seu médico. Para que você não saia de casa, busque orientação por meio da telemedicina.

São mantidas também as orientações para evitar o convívio social mesmo sem sintomas, adotando o home-office para quem trabalha e o isolamento em casa. No caso de pacientes asmáticos, é imprescindível contar com o suporte de parentes e amigos (com o mínimo contato) para compras de alimentos e medicamentos.

Fumantes são a maioria das pessoas que desenvolvem a DPOC, uma espécie de bronquite ou enfisema. A recomendação da Sociedade de Pneumologia é para que sejam mantidos os medicamentos de uso contínuo, como corticoides inalatórios (as bombinhas), isolados ou associados a broncodilatadores. Na dúvida, sempre consulte o seu médico. São mantidas também as orientações para evitar o convívio social mesmo sem sintomas de coronavírus.

Veja também: