Estresse crônico pode afetar a saúde mental anos após COVID-19

Desde o início da pandemia do covid-19 a nossa saúde mental está sendo cada vez mais afetada. O estresse crônico que diversas pessoas estão passando durante esse momento pode durar anos, segundo estudos.

Além disso, as pessoas que se recuperaram de COVID-19 podem ter “COVID-19 de longa duração” e lidar com sintomas crônicos muito depois de sua infecção inicial. E mesmo quem conseguiu evitar o vírus foi afetado de outras maneiras, como a perda de emprego e uma incerteza financeira.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão e a ansiedade serão as primeiras causas de perda de capacidade de trabalho nos próximos 10 anos em todo o mundo. No ano passado, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) identificou a questão da saúde mental nas Américas como uma epidemia silenciosa.

O que dizem as pesquisas

A American Psychological Association (APA), desde 2007, analisa o quanto os americanos estão estressados e qual o motivo.

Dessa forma, uma pesquisa realizada durante a pandemia do covid-19 descobriu como esse momento afetou a saúde mental.

Os resultados mostraram que quase 8 em cada 10 adultos disseram que a pandemia é uma fonte “significativa” de estresse para eles. Além disso, quase metade dos adultos entrevistados (49%) disseram que a pandemia contribuiu para o aumento da tensão corporal, raiva e de mudanças de humor.

De acordo com a APA, todos esses fatores somam-se a “uma crise de saúde mental que pode trazer sérias consequências sociais e de saúde nos próximos anos”.

Outro tema da pesquisa foi a crescente incerteza e preocupação com o futuro. Nesse sentido, 50% dos jovens adolescentes da Geração Z (pessoas nascidas, em média, entre a segunda metade dos anos 1990 até o início do ano 2010) disseram que a pandemia afetou suas perspectivas sobre o futuro, com um número semelhante dizendo que fez seu futuro parecer totalmente “impossível”.

Outro estudo feito pela  Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) mostrou que os casos de depressão aumentaram em 90%. Ainda de acordo com a análise, o número de pessoas que relataram sintomas como a crise de ansiedade e o estresse crônico dobrou entre os meses de março e abril de 2020.

Leia também: Dicas de autocuidado para que está em isolamento social

Como o estresse afeta a nossa saúde mental

Existem diversos fatores que contribuem para o surgimento do estresse crônico durante esse período. Sentimentos como o medo e a incerteza são recorrentes mesmo após um ano de pandemia. Isso porque não sabemos o que está por vir no futuro. O desemprego, a falta de renda e segurança são grandes exemplos.

Além disso, trabalhar em casa também é uma fonte de estresse. Seja pelo acúmulo de tarefas, por ter que lidar com a família toda em casa, entre outros.

Dessa maneira, o cortisol – o hormônio do estresse – aumenta e a pessoa fica mais vulnerável a transtornos mais graves como a depressão. Ainda, o estresse em excesso também está relacionado a casos de hipertensão (a pressão alta).

Dicas para afastar o estresse crônico na pandemia

Para acalmar a mente e afastar o estresse, o autocuidado é fundamental.

Uma boa maneira de combater essa sensação e melhorar o humor é tentar algo novo, como uma receita diferente para o café da manhã, um banho mais demorado em vez de uma ducha normal de 15 minutos, para começar o dia com uma perspectiva positiva. Você também pode optar por um despertar mais consciente, iniciando o dia com uma meditação ou yoga.

Ademais, a conexão com outras pessoas também é essencial. Portanto, mantenha o contato social com as pessoas próximas, através de ligações ou de chamadas de vídeo, pois isso mantém o estímulo sensorial.

Publicado originalmente em Cuidaí

%d bloggers like this: