Estudo indica 6 “tipos” de Covid-19 com diferentes sintomas

Um estudo feito pela universidade britânica King’s College de Londres identificou seis “tipos” diferentes de Covid-19 com base nos diferentes sintomas provocados pelo novo coronavírus nas pessoas infectadas. Em comum, todos os tipos incluem a enxaqueca e a perda de olfato.

Para a análise, os pesquisadores usaram dados coletados pelo aplicativo Covid Symptom Study App, que permite aos pacientes inserir informações sobre os sintomas causados pelo coronavírus.

Apesar de a tosse contínua, a febre e perda de olfato (anosmia) estejam entre os principais sintomas da Covid-19, os dados fornecidos pelos usuários do aplicativo mostram que as pessoas podem apresentar conjuntos específicos de sintomas.

Veja os seis “tipos” de Covid-19 com base nos grupos de sintomas:

  1. Gripe sem febre: enxaqueca, perda de olfato, dores musculares, tosse, dor de garganta, dor no peito, sem febre;
  2. Gripe com febre: enxaqueca, perda de olfato, tosse, dor de garganta, rouquidão, febre, perda de apetite;
  3. Gastrointestinal: enxaqueca, perda de olfato, perda de apetite, diarreia, dor de garganta, dor no peito, sem tosse;
  4. Nível um grave, fadiga: enxaqueca, perda de olfato, tosse, febre, rouquidão, dor no peito, fadiga;
  5. Nível grave dois, confusão mental: enxaqueca, perda de olfato, perda de apetite, tosse, febre, rouquidão, dor de garganta, dor no peito, fadiga, confusão mental, dor muscular;
  6. Nível três grave, abdominal e respiratório: enxaqueca, perda de olfato, perda de apetite, tosse, febre, rouquidão, dor de garganta, dor no peito, fadiga, confusão, dor muscular, falta de ar, diarreia, dor abdominal.

As descobertas têm implicações importantes para o tratamento da Covid-19, e podem ajudar os médicos a prever quem está em maior risco e provavelmente precisará de cuidados hospitalares em uma segunda onda de infecções por coronavírus.

“Essas descobertas têm implicações importantes no atendimento e no monitoramento das pessoas mais vulneráveis”, disse Claire Steves, da King’s College.

?EURoeSe você puder prever quem são estas pessoas no quinto dia, terá tempo para dar apoio antes, como monitorar os níveis de oxigênio no sangue e açúcar e garantir que eles sejam adequadamente hidratados. São cuidados simples que podem ser dados em casa, evitando hospitalizações e salvando vidas”, diz ela.

Diante dos quadros mais leves, é recomendável buscar atendimento de forma remota, como em uma teleconsulta ou com algum médico de sua confiança, para ajudar a amenizar os sintomas. A opção do SUS é entrar contato por meio do telefone 136.