Guia para a retomada segura de exercícios ao ar livre com máscaras

Com a reabertura gradual e as medidas de flexibilização da quarentena, muita gente voltou a praticar exercícios físicos ao ar livre. O uso de máscara é obrigatório, e pode causar incômodos durante a atividade física. Mas o acessório é essencial para evitar o contágio da Covid-19, até mesmo em lugares abertos e arejados.

Com base nas recomendações da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte, tire suas dúvidas sobre a prática de atividades físicas com máscara em parques, praças e até mesmo para pedalar nas ciclovias. Veja também como a máscara de proteção reduz a carga viral da Covid-19.

O uso de máscara atrapalha o rendimento durante a prática de exercícios físicos ao ar livre?

A máscara funciona como uma barreira física entre a via respiratória superior e o ar do ambiente, criando uma dificuldade maior para a respiração e a expiração. Quanto mais grossa for a máscara, maior é a dificuldade para respirar, demandando um esforço maior da musculatura respiratória e dos pulmões. É por isso que o rendimento do exercício pode ser prejudicado. O ideal é reduzir a intensidade do treino para torná-lo mais confortável.

A máscara causa intoxicação com a reinalação do gás carbônico que fica retido pelo tecido?

Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte, não é verdade que a reinalação de CO2 que possa ficar retido da máscara durante a expiração cause riscos à saúde durante a prática de atividades físicas ao ar livre.

“A troca de gases inspiratórios e expiratórios ocorre, com uma eventual retenção de CO2, entre a máscara e o rosto, sendo pequena e insuficiente para provocar um desequilíbrio importante no processo de trocas gasosas pulmonares”, diz a entidade.

A máscara úmida perde eficiência na proteção contra a Covid-19?

Sim. Com a prática da atividade física, a transpiração e o fluxo de ar acabam deixando a máscara úmida mais rapidamente, demandando mais trocas. Além disso, a movimentação do corpo pode desajustar a posição da máscara, prejudicando a proteção do nariz e da boca e facilitando a contaminação pelo novo coronavírus.

Sempre que praticar exercícios físicos ao ar livre, leve álcool em gel para higienização das mãos e máscaras de proteção adicionais para a troca frequente.

A máscara úmida dificulta a respiração durante a prática de exercício físico?

Sim. Além de tornar ineficaz contra a Covid-19, a máscara úmida também cria maior resistência ao fluxo de ar que respiramos, dificultando a respiração. É por isso também que o ideal é trocar de máscara sempre que necessário.

O uso de máscara para atividades físicas pode aumentar a temperatura corporal, causando hipertermia?

A entidade explica que a hipertermia é potencializada pela intensidade e o volume de treino, além das condições ambientais, como temperatura e umidade do ar elevadas, que dificultam a evaporação do suor. Pesquisas indicam que a máscara eleva a temperatura do rosto, mas que não é algo significativo a ponto de causar hipertermia. “A superfície afetada é proporcionalmente pequena, com o restante da superfície corporal podendo dar conta desse processo”, diz a organização. Outro ponto que deve ser considerado é o uso de roupas protetoras “selantes”, que não dificultam o controle térmico corporal.

Existem máscaras para treinos ao ar livre?

Ainda não há um modelo ideal de máscara produzido que facilite a respiração durante a prática de exercícios ao ar livre e evite a Covid-19. A Sociedade de Medicina do Esporte destaca que o importante é usar a máscara com a qual a pessoa está melhor adaptada, desde que tenha equilíbrio entre a proteção e a respiração.

“Testes mostram que máscaras de TNT de qualidade têm boa filtragem e respirabilidade, mas são descartáveis, não podendo ser reutilizadas. Já as de Neoprene, que têm a vantagem de serem laváveis e impermeáveis, também podem oferecer boa proteção, mas com nível de respirabilidade comparativamente bem mais baixo”, diz a entidade.

“As de algodão são laváveis, mas molham com mais facilidade durante o exercício, tendo índices de proteção mais baixos que as anteriores, além de respirabilidade menor que as de TNT, dependendo de suas camadas e espessura. Por fim, as máscaras ?EURoehospitalares?EUR?, como a N95, são as que possuem o maior poder de filtragem, mas com respirabilidade também considerada baixa –compreensível, já que, para um ambiente hospitalar, é o nível de proteção o que prioritariamente importa, mesmo trazendo uma certa resistência à respiração”, explica a sociedade.

Como reduzir o desconforto com o uso da máscara ao praticar exercícios ao ar livre?

Uma dica valiosa é inpirar e expirar mais profundamente, mais devagar. Deve-se também manter um ritmo mais leve nas atividades aeróbicas, como corrida, ciclismo e caminhada. Para musculação, uma boa adaptação é aumentar o tempo de descanso entre as séries. Assim, é possível não reduzir tanto a carga do exercício –mas, se sentir qualquer desconforto ao respirar, reduza a carga!

Como o esforço maior para respirar pode alterar os batimentos cardíacos, é mais seguro acompanhar os sinais do corpo e o impacto na respiração do que os monitores de batimentos cardíacos. Se bater sono, falta de concentração, fadiga ou falta de ar, é hora de parar o treino.

É preciso manter o distanciamento social mesmo ao ar livre?

Sim. Evite locais muito movimentados e prefira lugares e horários com pouca movimentação. O ideal é treinar individualmente. Mantenha uma distância superior a 2 metros das outras pessoas enquanto corre, pedala ou caminha –lembre-se de que o vento, a velocidade e o número de pessoas pode influenciar neste cálculo. Na dúvida, fique longe das outras pessoas.