Gripe

O que é a gripe?

A gripe é uma infecção aguda do sistema respiratório, provocada pelo vírus Influenza, com grande potencial de transmissão. O vírus propaga-se facilmente, e o tempo de incubação é de até quatro dias. 

Telemedicina

A transmissão costuma ocorrer em surtos durante o ano, sendo mais frequente no inverno. Ela ocorre principalmente por meio de três mecanismos:

  • Contato manual direto com uma pessoa infectada ou indireto com uma superfície contaminada;
  • Pequenas gotículas ou aerossóis que ficam no ar devido a espirros ou tosse;
  • Gotas grandes de partículas que normalmente requerem contato próximo com uma pessoa infectada.

Existem alguns tipos de vírus Influenza que causam a gripe. Os tipos A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus influenza A responsável por epidemias, como o H1N1 (gripe suína) ou H5N1 (gripe aviária), e podem contaminar humanos e animais. Entre os tipos B estão os vírus Yamagata e Victoria, por exemplo, que só contaminam humanos.

Já o vírus do tipo C causa infecções respiratórias mais leves, que normalmente não demandam atendimento médico. A vacina trivalente dada pelo SUS gratuitamente protege contra as três principais cepas do vírus Influenza (duas do tipo A e uma do tipo B). No mercado privado, está disponível a vacina tetravalente, que protege contra quatro cepas, duas do tipo A e duas do tipo B. Lembre-se de que a vacina contra a gripe não protege contra o novo coronavírus, o Sars-CoV-2.

A maior parte dos casos apresenta a febre, que é uma resposta do organismo a uma infecção ou inflamação. Ela é uma forma de avisar que algo não está bem. Assim, uma enzima é produzida em maior quantidade, interferindo diretamente no funcionamento do hipotálamo, região do cérebro que controla a temperatura corporal.

A gripe também costuma apresentar tosse, que é uma reação natural do sistema respiratório a um processo irritativo. Ela é um mecanismo de defesa fundamental para a remoção de substâncias indesejadas, agentes infecciosos e corpos estranhos, liberando a passagem de ar e facilitando a respiração.

A tosse não é especificamente de uma doença, e sim um sintoma. Quando as vias aéreas são bloqueadas ou irritadas, estímulos são enviados ao cérebro pelos nervos da traqueia e brônquios, que promovem a contração muscular, principalmente do diafragma e fechamento da glote (abertura responsável pela entrada e saída do ar). 

Quais são os sintomas da gripe?

Os sintomas podem variar de intensidade. Em adultos, podem ser mais brandos; em maiores de 60 anos, a febre não costuma ser tão alta e pode não aparecer. Já em crianças, a temperatura pode atingir níveis mais altos, além de causar sintomas gastrointestinais. Os sintomas mais comuns são:

  • Febre;
  • Dor de garganta;
  • Tosse (geralmente seca);
  • Dor no corpo;
  • Dor de cabeça;
  • Coriza ou nariz entupido;
  • Calafrios;
  • Náuseas;
  • Cansaço.

Fatores de risco

As complicações são mais comuns em pessoas vulneráveis ou com mais de 60 anos. Entre os problemas mais comuns que podem aparecer são as pneumonias bacterianas secundárias. A pneumonia viral é menos comum. Como as gestantes estão com o sistema imunológico reduzido, também devem ter atenção especial em quadros de gripe. 

Em geral, entre os principais fatores de risco estão:

  • Baixa imunidade
  • Doenças crônicas pulmonares (asma e DPOC)
  • Diabetes
  • Pacientes imunossuprimidos (câncer, transplantados, por exemplo)
  • Cardiopatias

 

Diagnóstico

 

O diagnóstico é clínico, ou seja, por meio da identificação dos principais sintomas. Exames de sangue ou secreções, além de radiografias do tórax e a medição dos níveis de oxigênio,  podem ser feitas em pessoas que necessitam de atendimento médico emergencial, nos casos mais severos.

Durante a pandemia, a orientação pode ser feita por meio da telemedicina — o médico também pode ajudar a diferenciar os sintomas da gripe comum do coronavírus. A falta de ar é a principal diferença da Covid-19.

Como se cuidar

Em geral, a principal indicação é o repouso e a ingestão de bastante água. Um médico pode orientar os melhores medicamentos para ajudar a aliviar os sintomas. Não tome medicamentos por conta própria, já que os riscos de efeitos colaterais e de interação medicamentosa são grandes e podem colocar a sua saúde em perigo. Crianças e adolescentes não devem tomar ácido acetilsalicílico, por exemplo.

Assistência Farmacêutica Raia DrogasilMedicamentos conhecidos como ?EURoeantigripais?EUR? não combatem o vírus, e só aliviam os sintomas. Os de venda livre nas farmácias são uma combinação de diferentes princípios ativos que, juntos, atuam contra os principais sintomas relacionados a gripes e resfriados, como analgésicos, antitérmicos e descongestionantes. Em caso de dúvidas, você deve buscar orientação médica sobre a melhor opção para cada caso. 

A vacinação anual contra influenza é a principal medida utilizada para prevenir a doença, porque pode ser administrada antes da exposição ao vírus e é capaz de promover imunidade durante o período de circulação sazonal do vírus influenza, reduzindo o agravamento da doença.

Nos períodos de surto de gripe, as medidas de higienização são muito importantes para que o contágio seja evitado. Lavar as mãos com água e sabão ou usar álcool gel, evitar tocar olhos, nariz e boca são cruciais. Se tiver sintomas, lembre-se de cobrir o nariz e a boca ao tossir.

Adote hábitos saudáveis, como alimentação balanceada, ingestão de líquidos e prática rotineira de exercícios físicos. Alguns estudos sugerem que alterações do sono diminuem a resistência do sistema imunológico, aumentando os casos de gripe e resfriado.

Veja também: