Luz ultravioleta pode eliminar o coronavírus? Entenda

O uso da luz ultravioleta em superfícies e ambientes pode ser uma opção para combater o novo coronavírus. Este tipo de técnica de esterilização é utilizada há muitas décadas para eliminação de vírus, bactérias e germes em ambientes e em equipamentos que demandam higienização frequente.  Não é aconselhável usá-la em pessoas, animais e plantas.

Enquanto o álcool 70%, a água sanitária ou a combinação de água e sabão destroem a camada externa de gordura do coronavírus, a luz ultravioleta afeta o material genético do vírus, causando danos que impedem que ele se replique. O objetivo da radiação é tornar o coronavírus inativo, e não destruí-lo.

Basicamente, o efeito da luz ultravioleta contra o coronavírus é similar ao do sol como germicida. Entretanto, a eficiência do sol no combate aos vírus e bactérias depende da intensidade da luz solar, do horário e do tempo de exposição, da posição geográfica e até mesmo da estação do ano.

Os trens do transporte público têm sido desinfectados com a luz ultravioleta em diversas cidades do mundo. Em São Carlos, no interior de São Paulo, o Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP cedeu à Santa Casa da Misericórdia dois rodos UV-C para descontaminação dos pisos.

“Para total eficácia, estes rodos devem ser utilizados durante 1 minuto em cada metro quadrado da superfície a ser descontaminada”, explica o Jornal da USP.

Veja também: 

Vale destacar que a luz ultravioleta pode causar queimaduras, o envelhecimento da pele, mutações genéticas e até mesmo câncer (em exposições prolongadas) nas pessoas e nos animais. Por isso, não deve ser usada na presença de seres vivos ou sem proteção adequada.

No Brasil, empresas já estão fazendo testes com equipamentos que poderiam ser usados para a desinfecção de ambientes fechados, onde a Covid-19 se dissemina mais facilmente (clique para entender como o coronavírus se espalha em restaurantes e ônibus, por exemplo. Uma rede de supermercados também está fazendo testes com cabines de luz ultravioleta para descontaminar os carrinhos com compras — mas a radiação só atinge os vírus nas áreas expostas, e não em todas as compras que não recebem a luz.

A radiação utilizada nestes casos é a UV-C. O Jornal da USP explica que “cada tipo de radiação UV é responsável por causar algum dano biológico. A radiação UV-A provoca alterações na pele, causando o envelhecimento; a radiação UV-B, além de atuar no envelhecimento da pele, é a principal responsável por causar mutações genéticas que levam ao desenvolvimento de câncer de pele. A radiação UV-C é considerada a mais deletéria, ou seja, a faixa germicida”.

Veja também: