Pandemia do divórcio: como lidar com o cônjuge na quarentena?

Conteúdo em parceria com:

Conteúdo em parceria com:

As medidas de isolamento social intensificaram os conflitos familiares, aumentando os relatos de divórcio e até mesmo de violência doméstica. Manter a harmonia durante a convivência em tempo integral torna-se mais desafiador, seja na vida a dois ou entre todos os integrantes da família, em meio ao medo e a ansiedade causados pela pandemia do coronavírus.

“Há o desafio de convivência com o cônjuge em um momento atípico, afinal, as pessoas costumam ter rotinas separadas e se veem em pequenos períodos do dia. De repente, tudo muda e você passa a ver o companheiro 24 horas por dia, por um período prolongado de tempo”, explica a plataforma de saúde mental Vittude.

Veja também: 

A pandemia por si só já é uma causa de estresse e ansiedade, causando preocupações com a saúde e o emprego. Com as restrições impostas pela quarentena, a tensão e a impaciência também aumentam. Para as famílias que vivem em casas menores, o desafio pode ser ainda maior. Segundo o Google, as buscas por “divórcio online gratuito” cresceram 9.900% no Brasil em abril.

As crianças estão estudando em casa, demandando os cuidados dos pais que estão trabalhando em casa, e ninguém possui estrutura adequada de trabalho e estudo. Sem espaço e privacidade, as relações conjugais ficam mais complicadas, afetando a saúde mental de toda a família e motivando até mesmo o divórcio.

Os especialistas da Vittude dão algumas dicas para tentar facilitar a convivência dos casais durante o isolamento:

Tenham rotinas independentes: Tente estabelecer uma rotina independente do cônjuge. Cada um deve ter os seus horários e atividades separadamente. Aqui vale negociar uma organização de tarefas da casa e profissionais: tentem dividir como e quando cada um pode ajudar no cuidado com as crianças, na preparação das refeições ou nos afazeres domésticos. Faça uma divisão de tarefas justa. E lembre-se de que ideia de que a mulher é responsável pelo serviço de casa é algo que deve ser deixado para trás.

Tente criar ambientes separados de trabalho e estudo: Se for possível, separe os locais em que cada um cumprirá suas tarefas profissionais e onde as crianças poderão estudar (como se fosse o “escritório” estudantil). Deste modo, é possível manter a privacidade e o trabalho de um não atrapalha o do outro.

“Não é porque estão confinados em uma casa que precisam fazer tudo juntos o tempo todo. Isso pode até não ser saudável para o relacionamento”, diz a Vittude.

Respeite a privacidade do outro: A quarentena não significa que um está disponível para o outro o tempo todo. É preciso saber respeitar o horário de trabalho e os momentos em que o parceiro quer ficar sozinho, entrar em contato com amigos, ler, ouvir música ou ter o seu momento de instrospecção.

Terapia online é opção para aliviar a tensão: Uma sessão com um psicólogo pode ajudar a entender o que você está sentindo e como se relacionar com o outro de uma forma mais saudável. E não estamos falando de terapia de casal, e sim de um tempo para você aliviar o seu estresse, a sua ansiedade e lidar com o que está sentindo durante a quarentena. Um bate-papo com um profissional pode ajudar.

Violência contra a mulher

No Brasil, a quarentena provocou um aumento no número de denúncias de violência contra a mulher –os dados são do serviço do Central de Atendimento à Mulher (ligue para 180) usado para denúncias de violência doméstica e familiar, violência física, moral e tentativa de feminicídio. Em caso de ameaça, é preciso buscar ajuda, seja de vizinhos, amigos ou das autoridades.

Veja também: