Síndrome pós-Covid-19: veja os sintomas que podem durar meses

Os relatos de uma síndrome pós-Covid-19, com sintomas persistentes após a cura da infecção pelo novo coronavírus, têm sido cada vez mais comuns. Entre as sequelas, aparecem casos de dor intensa no tórax, cansaço físico e mental. São os sintomas da Síndrome da Fadiga Crônica, que pode durar meses.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, até um quarto dos pacientes com a Covid-19 podem apresentar a fadiga crônica, um forte cansaço acompanhando de dores nas juntas.

Entre as queixas de quem tem a síndrome pós-Covid e esta fadiga crônica estão as dores musculares, nas articulações, febre baixa, gânglios no pescoço, na axila e na virilha, e uma fadiga persistente, que não desaparece após o repouso.

Outros sintomas da síndrome pós-Covid-19 são os sinais de fraqueza muscular, especialmente em braços e pernas, a dificuldade para respiração e até mesmo confusão mental e problemas de memória. Veja também outras sequelas que as pessoas recuperadas da Covid-19 costumam apresentar.

A fadiga crônica, também chamada de encefalomielite miálgica, é uma sequela comum de infecções virais, como a SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave). Entre as pessoas que se recuperaram da Covid-19, ela é mais comum para quem precisou de oxigenação e hospitalização. Mas quem apresentou sintomas leves também pode sentir o forte cansaço e as dores no corpo.

Os sintomas da fadiga crônica podem durar até seis meses –ainda não se sabe nos casos de pacientes recuperados de Covid-19, já que poucos são os que se recuperaram há mais de 6 meses.

“Ela é diferente da fibromialgia pela maneira que ela se inicia. A fadiga crônica começa de uma maneira mais súbita, e ocorre principalmente após algum quadro infeccioso”, explica o presidente da Sociedade Brasileira de Reumatologia, José Roberto Provenza, em entrevista à rádio EBC. Em comum com a fibromialgia, além das dores, está a perda de concentração, diz. o médico.