Vivendo bem em casa

Encontre dicas para adaptar ou criar uma rotina em tempos de isolamento social

 

Se você precisou sair de casa, quais cuidados deve ter ao voltar?

A primeira medida é tirar os sapatos, se possível, fora de casa. A médica Ana Escobar, autora do e-book Fique em casa com segurança: dicas práticas , lembra ainda que o ideal é usar calçados com sola de borracha, que podem ser lavados com água e sabão. O ideal é tomar um banho, lavando os cabelos, e lavar as roupas usadas –as peças podem ser lavadas com outras roupas normalmente, com sabão em pó comum.

Lave as mãos com sabão por 20 segundos, e higienize as maçanetas das portas, chaves e cartões bancários com álcool 70% ou desinfetante comum. As bolsas também devem ser limpas (no caso de couro, use água e detergente neutro para não danificar a peça). Até mesmo o telefone celular deve ser higienizado, mas com álcool isopropílico, e não gel, já que ele tem resíduos e pode danificar o aparelho.

Se vai usar elevadores, prefira embarcar com pessoas do seu grupo familiar, evitando o contato com vizinhos. Tente usar o cotovelo ou algum objeto, como uma caneta, para acionar o andar –o objeto deve ser limpo em seguida. No caso do transporte público, faça o ?EURoeuso silencioso?EUR?, ou seja, evite conversar com outros passageiros ou usar o telefone.

 

Quais cuidados devo ter com os alimentos trazidos de fora?

A médica Ana Escobar sugere ainda um ritual a ser seguido com as compras feitas no mercado. Nunca coloque nada sobre a mesa de refeições; as sacolas com alimentos devem ficar no chão até serem higienizadas. Lave embalagens como latas, garrafas e plásticos com água e sabão; até mesmo as sacolas devem ser lavadas.

Frutas, verduras e legumes devem ser desinfectadas com hipoclorito de sódio ou água sanitária –para cada litro de água, usar uma colher de água sanitária; deixe de molho por 15 minutos e enxágue novamente os alimentos em água corrente para retirar qualquer resíduo.

No caso do delivery (serviços de entrega em geral), mantenha distância de pelo menos 1 metro do entregador –assim, os dois estão protegidos, ressalta a médica. Na hora de fazer o pagamento com cartão, evite tocar a máquina: vale usar cotonete, palito de dente ou algo parecido para colocar a senha. O cartão também deve ser higienizado com álcool gel ou água e sabão. A embalagem deve ser colocada na pia, e o alimento transferido para um recipiente limpo –as embalagens devem ser jogadas fora, assim como as sacolas de papel. Após este ritual, é a vez de higienizar a pia com água e sabão.

 

Quais os cuidados com chaves, maçanetas e interruptores de luz?

É importante limpá-los uma vez por dia, seja com água e sabão, detergente ou álcool. Vale o mesmo procedimento para as mãos: higienizar por 20 segundos para quebrar a gordura do vírus. Produtos de limpeza ?EURoemultiuso?EUR? ou a base de cloro também servem para a limpeza destas áreas e objetos.

 

Quais alimentos devemos ter em casa durante o isolamento?

Durante o isolamento, uma das regras é não ir ao supermercado sem necessidade –sempre que possível, faça a compra online. O ideal é ter em casa alimentos que, além de serem importantes para manter a imunidade em dia, não sejam tão perecíveis. Mas lembre-se de que não é preciso estocar alimentos. O site de alimentação saudável e bem-estar da Tech.fit, o Cuidaí, destaca que uma geladeira saudável deve ter ?EURoeproteína, quantidades moderadas de gorduras saudáveis ?EUR

Na sua lista de compras, dê preferências para proteínas como o frango sem pele, cortes magros de carne vermelha ou suína, peixes, grão de bico e ovos. Exceto os ovos, todos os outros são congeláveis. Carboidratos, como vegetais ricos em fibras e proteínas, além do amido, grãos, legumes e frutas também são uma boa pedida. Milho, ervilha, feijão e brócolis, além do arroz, da mandioca, do alho e da abóbora são algumas opções. Frutas como maçã, limão, abacate e manga demoram mais para estragar. E lembre-se de que frutas e legumes da estação são mais frescos e mais baratos. Veja a lista completa de alimentos.

Lembre-se de higienizar todas as embalagens e alimentos da forma correta.

 

Por que devo praticar exercícios físicos em casa?

As atividades físicas auxiliam o sistema imunológico, um conjunto de órgãos, tecidos e células que atuam, de forma coordenada, nas defesas do nosso corpo contra infecções causadas por invasores como vírus, bactérias e fungos. 

Segundo a Tech.fit, empresa líder em aplicativos de saúde e bem estar no Brasil, as atividades físicas aumentam a função das células, que circulam pelo corpo para combater agentes invasores que provocam as doenças. Além disso, quem pratica exercícios físicos tem uma condição cardiorespiratória melhor — lembrando que as vias respiratórias são as mais afetadas pelo coronavírus.

 

O que acontece com o corpo se você não se exercitar?

Com o isolamento social, até mesmo os pequenos deslocamentos diários foram interrompidos. Se antes você ia de casa para a escola ou o trabalho, agora só caminha entre a sala e a cozinha. Academias também estão fechadas.

O Cuidaí destaca que o sedentarismo em tempos de isolamento pode ter impacto não só na sua imunidade, mas também nos sistemas cardiovasculares, respiratórios e até mesmo na química do cérebro, incluindo sintomas relacionados à depressão. 

Na hora de se exercitar, lembre-se de respeitar os limites do seu corpo: nada de fazer esforços físicos que você não está acostumado ou de carga mais intensa. Se sentir algum desconforto, diminua o ritmo ou até mesmo interrompa o exercício. Evite lesões para não precisar buscar ajuda médica em um momento em que os hospitais estão sobrecarregados pela Covid-19.

 

Como lidar com as crianças em casa durante a quarentena?

Com as escolas fechadas, não deixe as crianças com avós que tenham mais de 60 anos. Para evitar a ansiedade entre os pequenos, que perderam a rotina escolar, tente criar uma nova rotina em casa. Determine horários regulares para as aulas virtuais ou para fazer as atividades da escola — as crianças precisam entender que não estão de férias. É importante também incentivar a criança a brincar sozinha (ou com os irmãos). Atividades manuais evitam que os pequenos passem mais tempo na frente da televisão, do videogame ou do celular.

Bruna Cosenza, da plataforma de saúde mental Vittude, ressalta ainda a importância de saber de que forma falar com as crianças sobre o novo coronavírus, explicando não só a importância da higienização, mas também tranquilizando-as sobre eventuais medos que uma pandemia pode causar.  

?EURoePara crianças maiores, a dica é introduzir o assunto de tal forma que haja uma abertura para a criança expor o que ela já sabe e colocar as suas dúvidas. Em seguida, acalme suas angústias e assegure que é normal sentir medo e ansiedade, mas que é preciso ter coragem para enfrentar a situação com otimismo. A criança deve sentir que pode procurar conforto nos familiares sempre que precisar?EUR?, diz Bruna, da Vittude.

 

Como saber se você sofre com a ansiedade no período em casa?

Tatiana Pimenta, da Vittude, conta que existem alguns sinais que o corpo dá. Ela sugere fazer a si mesmo algumas perguntas: Você vê perigo em tudo?

Sente que seu sono sofreu alterações? Sofre com tensões musculares? Tem preocupações excessivas com o futuro? Sente dificuldade para se concentrar? Tem sofrido com problemas gastrointestinais? Sente falta de ar, coração acelerado, suor excessivo, boca seca ou náuseas quando está ansioso? Você sente que a ansiedade tem te paralisado e te impedido de viver bem e de forma saudável?

Se você identificou-se com algumas destas questões, é o momento de desacelerar. Exercícios de respiração podem ajudar. É importante criar uma rotina, com horários de trabalho, intervalos, refeições, momentos de lazer e descanso. Exercícios físicos são fundamentais para ajudar no controle da ansiedade.

 

Bateu a ansiedade? Veja algumas dicas

Apesar da ansiedade ser uma resposta natural do corpo, em alguns momentos pode se tornar nociva. No caso da pandemia do novo coronavírus, aprender como lidar com a ansiedade é importante para evitar um impacto maior na saúde mental das pessoas.

Um dos principais fatores de ansiedade é o excesso de informação que recebemos em tempo real. O ideal é evitar manter os noticiários da televisão ligados o dia todo. Caso contrário, isso pode gerar muita angústia e pânico –é importante manter-se informado sobre a Covid-19, mas escolha em quais momentos você buscará fontes de informação confiáveis. Aproveite para tentar um detox digital: evite abrir as redes sociais o tempo todo. A dica é separar um momento do dia para abrir Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn. 

Ao se sentir muito estressado, com medo excessivo e ansioso, procure se desconectar um pouco da crise. Isso quer dizer mergulhar em novas histórias, capazes de acalmar a sua mente por alguns instantes. Se você não sabe como lidar com a ansiedade, ler um livro, assistir a um filme ou até fazer uma atividade que você goste pode ajudar. 

 

Como se adaptar ao isolamento social e cuidar da sua saúde mental?

Aproveite para manter laços com as pessoas. Que tal ligar para os seus avós que estão sozinhos em casa? Vale também fazer uma videoconferência com amigos que você não vê há muito tempo e também estão isolados.

Use este período também para fazer coisas que sempre quis, como investir naquele hobby de pintar, desenhar, escrever, ler ou aprender a cozinhar. Com a internet, é possível fazer cursos online e aprender algo novo ou descobrir uma nova atividade.

Meditação também ajuda a diminuir os níveis de ansiedade e estresse, além de ser benéfica para o fortalecimento do seu sistema imunológico. Você precisa apenas se sentar em uma posição confortável, fechar os olhos e não se prender a nenhum dos pensamentos que lhe ocorrem. Caso você nunca tenha praticado, a recomendação é utilizar aplicativos com meditações guiadas.

 

Como manter a religiosidade se não é aconselhável frequentar templos?

Cultos, missas e celebrações de diferentes crenças e religiões foram suspensas por tempo indeterminado para evitar aglomerações, que podem amplificar o contágio da doença. Mas não é por isso que você deixará a sua fé de lado: busque transmissões ao vivo em redes sociais, grupos em aplicativos e até mesmo o rádio e a TV para manter o seu contato com a sua religião. Você também pode praticar a sua religiosidade na sua intimidade. Fique atento também para evitar notícias falsas e procure se informar sobre a Covid-19 somente em meios que usem como base orientações técnicas e científicas sobre a doença.